Amanhã, Tudo Bem


Sabe que nunca vai ter o tempo que quer
É uma verdade universal pra você
Enquanto caminha, cada hora, todo dia
E repetindo esse sorriso ensaiado
Só pra atrasar o inevitável
Eu não quero ir embora
Não assim, sem voz, sem nada

Eu prefiro dormir
Apagar a tristeza da cara
Amanhã tudo bem
Nada de novo também

Os dias livres são tão raros
E o fim de tarde tão claro
Perdido no fluxo eterno dos carros
Fico cansado de não te esperar
E enquanto as cores da rua se vão
Meus olhos entre a tela e a janela
Melhor deixar pra depois

Eu não quero dormir
Vou dar sete voltas na quadra
As paredes aqui não contam as horas
Mas, tudo bem...